Estudantes Atuais

Diogo Forte | 1º ano (em 2017)

caret-down caret-up caret-left caret-right

Desde muito novo que sempre gostei de mecanismos e de perceber como é que as máquinas que me rodeavam funcionavam, desde um pequeno automóvel telecomandado aos próprios eletrodomésticos de casa.

Não se iludam, este é dos cursos mais difícil da FEUP (senão o mais difícil!) e não posso negar que nunca me passou pela cabeça desistir. Porém, todo o esforço e pestanas queimadas compensam quando chegas ao final da época de exames, com imensos conhecimentos adquiridos e vês na pauta as notas para quais tu trabalhaste.

A faculdade é muito mais que só estudar, é um mundo completamente diferente quando comparado com a escola, desde as inúmeras festas académicas e atividades recreativas às formações, competições e projetos das múltiplas associações existentes. Eu entrei desde logo para duas associações: BEST Porto (Board of European Students of Technology), onde fiz parte da organização de um concurso a nível nacional e futuramente participarei em projetos a nível internacional; e NEEM FEUP (Núcleo Académico de Estudantes de Engenharia Mecânica da FEUP) onde estou integrado no departamento do pedagógico e ajudei em atividades para os estudantes do MIEM.

Miguel Cunha | 2º ano (em 2017)

Sempre tive fascínio pela área de Engenharia e no acesso ao Ensino Superior não tinha dúvida quanto a escolher a FEUP, muito por causa do prestígio e renome que tem no panorama nacional.

Assim que entrei, encontrei um espaço muito diverso, bem equipado, um bom espírito de trabalho entre os alunos e acima de tudo uma diversidade de grupos académicos que até então nunca tinha imaginado!

Desde uma júnior empresa até uma rádio, passando por núcleos de estudantes e grupos artísticos, a FEUP permite que a nossa formação possa abandonar o espaço da sala de aula e ser complementada em contexto prático de diversas formas, ajudando muitas vezes no percurso académico de outros colegas. Integrar uma atividade fora do percurso curricular é sem dúvida uma experiência enriquecedora e, acima de tudo, muito gratificante do ponto de vista pessoal.

Ana Antunes | 3º ano (em 2017)

A escolha do curso superior foi uma decisão bastante difícil de tomar para mim. Na altura não tinha ainda uma noção clara do que queria seguir, apenas sabia que gostava de física e matemática, embora isso não restringisse as opções o suficiente. Acabei por escolher o curso de Engenharia Mecânica, principalmente pela sua versatilidade e amplo leque de opções que proporcionava. Depois disso, a escolha da FEUP foi a escolha natural para mim, pelo prestígio que a instituição e o curso de Engenharia Mecânica têm e de que sempre tinha ouvido falar.

Sabia que ia ser um desafio, o que se tem revelado verdade. É inevitável existirem por vezes momentos mais complicados, mas tive a sorte de ter uma integração bastante positiva, mesmo tendo vindo de outra cidade, devida em grande parte às pessoas, tanto professores como amigos que fiz desde que comecei este percurso.

Acredito que o nível de exigência do curso e a “bagagem” com que nós, alunos, ficamos, irá ser um fator determinante no futuro e que nos tornará excelentes profissionais na nossa área e nos distinguirá pela positiva. Existe sempre espaço para melhorar e aprender mais, e este é um princípio que nos incentivam fortemente a seguir na FEUP.

Rafael Vieira | 4º ano (em 2017)

O meu percurso na FEUP iniciou-se há cerca de quatro anos, quando vim viver "sozinho" para o Porto no início do meu primeiro ano de faculdade. Desde então, vivenciei inúmeras experiências académicas que revejo com satisfação: tive a oportunidade de conhecer um grande número de pessoas com as quais partilhei momentos inesquecíveis, de ser formado por especialistas mundiais em diversas áreas afetas à Engenharia Mecânica e de me desenvolver, quer enquanto futuro Engenheiro Mecânico, quer enquanto pessoa. Agora que acabo de concluir o quarto ano do Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica posso afirmar que o curso se destaca pela sua exigência e versatilidade.

O curso de Engenharia Mecânica na FEUP é profundamente reconhecido a nível internacional e nacional pela excelente formação técnica adquirida pelos estudantes que o frequentam, sendo múltiplos os desafios de grande complexidade e dificuldade com que são confrontados. Não tenho quaisquer dúvidas que este curso dota os estudantes de competências para resolver, com êxito, todo o tipo de problemas que enfrentam e é fácil constatar a diversidade de campos no âmbito dos quais o Engenheiro Mecânico pode desenvolver a sua atividade.

Recomendo vivamente o MIEM a todos aqueles que têm interesse nas áreas de matemática e física e, sobretudo, aos que gostam de desafios, tanto na área académica, como pessoal, pois que também neste campo há muito de bom que pode ser atingido (desde construir uma rede de amigos e contactos alargada até participar em associações ou grupos estudantis).

Catarina Borges | 5º ano (em 2018)

A minha escolha de curso a ingressar no ensino superior foi algo atribulada, mas, após ter escolhido Engenharia Mecânica, a escolha da faculdade foi simples. Tendo vivido sempre no Porto, desde pequena que a FEUP era para mim uma referência e, conjugando isso ao facto de ser uma das melhores faculdades de Engenharia a nível nacional e internacional, não me deixou qualquer dúvida.

O ensino desde logo se mostrou pautado de uma elevada qualidade e atenção ao detalhe, sendo esta acompanhada de um elevado grau de exigência, mas grande parte das dificuldades são ultrapassadas devido ao enorme ambiente de entreajuda que existe.

Além da oferta académica, estudar na FEUP abre-nos horizontes, tanto em termos de desenvolvimento das nossas capacidades pessoais, através de um vasto leque de associações, como no contacto com o tecido empresarial.

Eu estive no NEEM FEUP e no BEST Porto, onde desenvolvi as minhas soft-skills, aprendi mais sobre áreas que não estão relacionadas com Engenharia Mecânica e conheci pessoas diferentes a nível nacional e internacional, com caminhos diversos, todos eles com algo para ensinar.

Ao longo do ano, há ainda vários eventos organizados pela FEUP e pelas várias associações que aqui existem, que nos fazem conhecer empresas que atuam nas diferentes áreas da Engenharia, em particular da Engenharia Mecânica, e desde cedo nos fazem perceber como poderá ser o nosso futuro no final dos cinco anos do curso e que oportunidades estarão ao nosso alcance.

No final destes 5 anos, sei que esta foi a escolha acertada para mim, aconselho a FEUP a todos aqueles que quiserem estudar Engenharia e aprender continuamente, e estou certa que serão tão bem-recebidos como eu fui.

Teresa Viana | 1º ano (em 2020)

Perante os diversos caminhos que o Ensino Superior tem para oferecer e apesar de indecisa entre qual tomar, uma vez fascinada pelas áreas da matemática e da física e curiosa por saber e compreender o “como” e o “porquê” de tudo, rapidamente, vi o meu interesse conquistado pelo mundo das engenharias. Assim que mergulhei neste, optei pelo ramo que considero mais completo e abrangente, a Engenharia Mecânica, numa das mais prestigiadas faculdades do país, a FEUP.

O começo desta nova etapa exigiu uma mudança a vários níveis. E devo confessar que, inicialmente, esta mudança era, para mim, uma preocupação; mas, rapidamente, deixou de o ser. O ambiente nos espaços da faculdade é ótimo, há entreajuda entre os estudantes e várias são as atividades que nos permitem conhecer uns aos outros e perceber como tudo funciona. Destaco o Programa de Mentoria, que consiste na atribuição de alunos mais velhos a pequenos grupos de estudantes do primeiro ano, a fim de os ajudar na sua habituação e orientação.

O curso exige trabalho, empenho e sempre o melhor dos estudantes, mas confesso que o resultado de tanto exercitar e de toda esta dedicação, ao final de cada semestre, é extremamente gratificante. Contudo, é importante o equilíbrio entre a responsabilidade, a liberdade, o estudo e a vida académica e a FEUP é, sem dúvida, uma grande ajuda no nivelar dos pratos desta balança.

Henrique Gonçalves | 5º ano (em 2020)

O processo de escolha de formação em ensino superior, ainda frequentando o ensino secundário, foi incerto até ao ano anterior à candidatura. Tendo um gosto inato por matemática e física desde cedo, sabia que o meu futuro estaria ligado às ciências exatas. Tendo participado no projeto F1 In Schools, ligado a componentes como física, desenho, projeto e empreendedorismo, rapidamente ficou claro que o meu futuro passaria pela Engenharia Mecânica. Um curso amplo, versátil e completo, aliado à escolha da faculdade de referência do país, a FEUP, permitiu finalizar a decisão para o meu futuro.

Desde a minha entrada no curso de Engenharia Mecânica, rapidamente me apercebi da dimensão, abertura e oportunidades que este nos oferece. Partindo pela oferta de ensino com selo de qualidade FEUP, que não sendo fácil, permite formar engenheiros competentes e capazes num leque vasto de áreas, até à oferta académica, que além das competências técnicas, complementa o crescimento pessoal e social.

O meu percurso no MIEM passou pela formação transversal de Engenharia Mecânica, tendo escolhido a especialização de Projeto e Construção Mecânica, ligando-me às áreas de desenho, contrução, e análise estrutural, que desde cedo quis exercer, tendo recebido lições de professores de referência, aos quais tenho de deixar o meu agradecimento.

Paralelamente, fiz parte de associações como o NEEM FEUP, AEFEUP, tendo integrado a equipa de organização do VI ENEEM, entre outros, e tendo aberto vários horizontes tanto em termos de conexões interpessoais, como na inserção na dinâmica de trabalho do tecido empresarial, sempre aliado à causa de cada atividade que desenvolvi.

Por fim, a todos os que ponderam frequentar o curso de Engenharia Mecânica, deixo a minha sentida recomendação, especialmente aos que procuram desafios nos 5 anos de formação, com confiança que partirão para o mercado de trabalho como engenheiros de referência!

Henrique Caloni D’Aloia | 4º ano (em 2020)

Quando estive a decidir para qual universidade iria cursar engenharia mecânica tinha certeza de uma coisa: queria estudar em uma boa universidade que me oferecesse um bom curso. À princípio visei algumas universidades brasileiras. No entanto quando descobri a FEUP, logo virou meu objetivo principal. Vi uma oportunidade de ter uma experiência internacional e principlamente: em uma universidade em que o curso de engenharia mecânica era reconhecido mundialmente.

A primeira coisa que me chamou atenção na FEUP foi quando, logo à primeira vista, me deparei com a exposição de estandes de diferentes empresas que davam oportunidade aos alunos conhecerem, da melhor forma, a aplicabilidade do curso e, principalmente, estabelecer uma conexão entre o ensino teórico da sala de aula e o ensino prático, seja através de estágios, visitas e outras atividades que me ajudavam a constituir uma melhor visão do que era a engenharia mecânica.

De forma geral acho que essa experiência tem sido extremamente importante para minha formação pessoal. Sinto que hoje, depois de algum tempo de estudo decorrido, estou em um lugar acolhedor, numa cidade bonita, realizando um curso que, apesar de muito desafiador e trabalhoso, com certeza resultará em importantes frutos para a minha carreira profissional e desenvolvimento pessoal.            

Com toda propriedade posso dizer que aconselharia qualquer pessoa a se dar a oportunidade de conhecer melhor a FEUP e principalmente o que o MIEM tem a oferecer, pois acredito que o ensino universitário não se faz apenas na sala de aula, mas também com o aglomerado de experiências que a universidade propicia: amizades, festas, estudos entre outras coisas. Desde que decidi mergulhar de cabeça no desafio de estudar engenharia mecânica e ainda em outro país, vi que a FEUP proporciona uma junção perfeita de tais fatores.